Justificativa

 

A exemplo do que ocorre em outras instituições de ensino superior de várias regiões do País, a Universidade Federal do Amazonas tem, entre suas prioridades, a melhoria da qualidade do ensino.

Para tanto, é necessária uma avaliação global da Instituição, não com o objetivo de punir ou premiar os envolvidos no processo, mas sim contribuir para o aperfeiçoamento da prática pedagógica e administrativa da UFAM. A Avaliação Institucional, nessa perspectiva, deve ser entendida como um processo contínuo de crescimento. A avaliação, com essa intenção, se volta para o seu significado mais elevado que é a promoção do aperfeiçoamento.

Ora, no momento em que não só as instituições de ensino superior, mas também as de ensino fundamental e médio buscam a melhoria da qualidade de ensino, a universidade, como principal agência de formação de profissionais para as diferentes áreas do conhecimento humano, deve engajar-se nessa perspectiva, formando cidadãos que possam atuar de forma crítica, criativa e participativa.

Para que seja a concretização desse empreendimento, é mister uma Avaliação Institucional e, como parte dela, a avaliação do desempenho docente, considerando que é esse o recurso mais importante, pois como diz PENA FIRME (1998, p.73): “Se o professor não passa por um processo sadio e estimulante de avaliação, que o ajude a crescer, que dispensa notas e pontos, que o elogia e parabeniza, quando acerta; que o orienta, quando falha; que desenvolve sua autoconfiança e que o envolve nas decisões mais relevantes, jamais fará uma avaliação competente de seus alunos.

Portanto, a universidade, seja ela pública ou de iniciativa privada, precisa avaliar-se de forma global e, em especial, o trabalho docente, uma vez que o professor universitário deve encarar a avaliação de seu desempenho como uma atividade natural, que faz parte do processo. Deve, ainda, refletir sobre os resultados de sua avaliação para poder replanejar e repensar sua ação pedagógica se assim o caso exigir. Da mesma forma, os dirigentes da Instituição não devem encarar a Avaliação Institucional simplesmente como um julgamento da Administração Superior, mas sim como um processo de aprendizagem contínua e de crescimento organizacional.

Através deste Sistema a UFAM disseminará uma cultura de avaliação, fator fundamental para se atingir a missão institucional e os objetivos dela advindos. Essa cultura, porém, não se materializa sem a adesão de docentes, discentes, servidores administrativos e da comunidade, bem como, sem a conscientização de que a avaliação é um processo contínuo e sistemático que exclui ações de ameaça ou punição, pois, os resultados da avaliação devem proporcionar mudanças e correções dos problemas que prejudicam o desempenho dos docentes, dos discentes, dos administrativos e da IES em si.

Os resultados da avaliação também podem ser usados para a gestão administrativa das unidades acadêmicas, como suporte na elaboração de ajuste curricular, na implementação de novos projetos pedagógicos e da melhoria das condições da estrutura física, no planejamento orçamentário e na elaboração de planos de trabalho capazes de corrigir as dificuldades detectadas no processo de avaliação.

Assim, o que se pretende é estabelecer um fluxo de informações entre a administração superior e as unidades acadêmicas, mediante o processo de avaliação, que se constituirá em subsídios extremamente relevantes para o aperfeiçoamento do processo ensino-aprendizagem e da cultura avaliativa e administrativa da Instituição.

É com essa finalidade que a Universidade Federal do Amazonas propõe um Sistema de Avaliação Institucional a fim de que seja possível coletar evidências sobre a qualidade do ensino oferecido e dos processos administrativos, uma vez que a qualidade dos discentes formados depende do trabalho dos docentes e o trabalho desses docentes depende da estrutura administrativa e física que a Instituição fornece para que a sua missão seja levada a cabo.

Assim sendo, é de fundamental importância sensibilizar todos os envolvidos no processo avaliativo (professores, alunos, chefes de departamento, coordenadores de curso, técnico-administrativos e diretores das unidades acadêmicas) para que se crie, na UFAM, uma cultura de avaliação, considerando-a como um processo sistemático, gradativo e contínuo.

A sensibilização, a conscientização, o envolvimento e motivação de todos são elementos importantes para o alcance dos objetivos de qualquer avaliação (institucional, de egressos, de currículos, de gestão democrática, etc) que se pretenda realizar.